E futuro? Deixa ele lá, no lugar dele

“Você não sente, não vê

Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo

Que uma nova mudança em breve vai acontecer

O que há algum tempo era novo, jovem

Hoje é antigo

E precisamos todos rejuvenescer”

Parte da música Roupa velha colorida – Autor Belchior

 

Pensar no futuro é uma distração. Quem de nós já não ouviu falar “ O Brasil é o país do futuro”; “ O futuro a Deus pertence” entre tantas frase que depositam no futuro nossas esperança. Certamente povoamos o espaço sideral e convivemos em paz com seres de outros planetas. Tantas coisas acontecem nesse lugar inatingível, que chamamos, esperançosamente, de futuro.

Em muitos aspectos o futuro já chegou. A tecnologia com suas inovações nos lembra disso todos os dias. Isaac Asimov no final dos anos oitenta previu um futuro onde todos estaríamos interconectados, e vejam só, estamos!

Tenho a impressão de que a distância entre o presente e o futuro está cada vez menor. No entanto o futuro se mostra cada vez mais enigmático. As mudanças não são mais entre gerações, repare que hoje dois irmãos um de 17 anos e outro de 12 anos tem costumes e valores diferentes num espaço de apenas cinco anos.

Sabemos que a tecnologia é uma das principais responsáveis por nossa mudança de comportamento e que ela vem se transformando com grande velocidade. Estar conectado possibilitou acesso a um extraordinário volume de informação,bem como a pessoas e grupos sociais distantes geograficamente alterando nossa percepção dos hábitos e cultura de outros países.

Tenho um casal amigo que moravam em estados diferentes, ela Na Bahia, ele aqui e Minas se conheceram através da internet, se apaixonaram e se casaram. Globalização, mundialização, o nome que  for, o fato é que a tecnologia nos aproxima criando e recriando a sociedade em tempo recorde.

Mas não é só isso além de convivermos com dualidades, diferenças e contradições. Vivemos um tempo de incertezas sobre tudo. O mercado financeiro, as interações interpessoais, o mercado de trabalho mudou, muda e mudará.  Onde quero chegar?

Tomando um rumo mais prático, tenha em mente que você está criando seu filho para um futuro que nem você, nem eu temos aderência. Veja, a educação acadêmica por exemplo. Será que ela prepara seu filho para o mercado de trabalho?  Para qual profissão? Você não sabe, ninguém sabe. Isso porque não sabemos quais profissões existirão dentro de cinco ou dez, ou quinze anos.

O que sabemos com certeza é que as crianças de hoje provavelmente terão que profissões que ainda não foram inventadas. Novas profissões surgirão e com elas novas formas de organizar a vida. Além da vida profissional a construção dos relacionamentos e a forma de organizar a família também está mudando e vai mudar mais .

Nos últimos dez anos a diversidade  sexual explodiu na mídia. Pessoas restritas a guetos por sua maneira diferente de ser, hoje podem participar da sociedade trabalhando e se expondo como realmente são. Algumas fazendo sucesso em novelas, shows, e diversos programas de TV. É claro que ainda lutam contra a discriminação e a intolerância mas não podemos negar o espaço conquistado.

Crianças e adolescentes convivem com essa nova realidade de comportamento social e profissional e por razões óbvias sofrerão grande influência. Quem não tem um sobrinho que disse que quando crescer quer ser Youtuber? Está se configurando uma nova sociedade infanto juvenil. Por isso, ouça um bom conselho que lhe dou de graça…, não perca seu tempo, que o tempo passa.

Brincadeiras a parte invista seu tempo em estar com seu filho, não necessariamente em volume mas em qualidade. Transmita os valores da tolerância, do respeito pelas diferenças e da  generosidade e sobretudo mantenha a mente aberta.

Rejuvenescer é mais do que neurotoxinas injetadas, é mudar o olhar para o novo.

Juízo, não façam bagunça, mas se fizerem arrumem 🙂

Até a próxima!

 

Paulo Canarim da Patricia, pai do Vinicius, Mariah, Nathália e Tainá. Pedagogo, contista e executivo do Nautilos Marketing Digital



Deixe uma resposta

WhatsApp